Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Sangue do meu sangue
Painel da Folha de São Paulo

Sangue do meu sangue

Jair Bolsonaro tem feito, em reuniões privadas com políticos e setores aos quais é afeito, defesa enfática de seu filho, o senador Flávio (PSL-RJ), acossado por investigação do Ministério Público do Rio.

O Presidente fez questão de incluir o assunto em fala, por exemplo, a evangélicos. Ele sustenta que o rebento é inocente, que não vão achar nada contra ele, "muito menos" elo com milícia. A aliados, repetiu que a família é alvo de perseguição e fez ilações sobre o outrora amigo Fabrício Queiroz.

Anel de vidro - Pessoas próximas a Bolsonaro enfatizam que ele se distanciou do ex-policial que levou o clã para o centro de investigação sobre desvio de salários e ligações com milicianos. Dizem que ele não tem contato com Queiroz e que hoje especula se o ex-amigo não atua para prejudicar sua família.

Visão turva - Deputados simpáticos a Bolsonaro dizem que o presidente ainda não entendeu a gravidade do caso – nem que ele trará consequências não só para o filho, mas para seu próprio futuro político.

Inferno são os outros - O governo Bolsonaro embarcou em teoria da conspiração segundo a qual o Congresso quer levá-lo a uma situação fiscal limite, obrigando-o a cometer crime de responsabilidade.

História como farsa - Segundo evangélicos que estiveram com o presidente, Paulo Guedes (Economia) afirmou, ao lado de Bolsonaro, que o Parlamento quer "ver ele pedalar e terminar como Dilma".

Vida curta - Integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso começam a medir os efeitos da indicação precoce de Sergio Moro (Justiça) para uma vaga no STF. O primeiro problema tem a ver com a briga encampada pelo ex-juiz para manter o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sob sua guarda.

Kinder Ovo - Se Bolsonaro mantiver a promessa que diz ter feito e indicar o ministro ao STF, Moro deixaria o governo no ano que vem. "Todo o discurso sobre o Coaf é fundamentado na agenda de Moro. Deixamos o conselho na Justiça, ele vai para o Supremo e entra um olavista em seu lugar. Como fica?"

Pingo nos is - Esse discurso foi feito por deputados do DEM e do PSDB. A maioria das duas bancadas quer o Coaf de volta ao Ministério da Economia.

Ricocheteou - Dirigentes partidários e até militares que atuam no Ministério da Defesa classificaram, em maior ou menor grau, o ataque de Bolsonaro aos manifestantes que protestaram contra sua política educacional, nessa quarta-feira (15), como um erro.

Ricocheteou 2 - Para os políticos, ao chamar os que foram às ruas de "idiotas úteis", o presidente não só desafiou os manifestantes como abriu a porta para a repetição dos protestos.

Ricocheteou 3 - Os que atuam na Defesa lamentaram a fala. Dizem que Bolsonaro atiçou uma parcela da população e que isso pode resultar na proliferação de manifestantes, justo no momento em que o foco deveria ser a Previdência.

Vai um, volta dois - A União Nacional dos Estudantes (UNE) convocou ato chamado "universidade nas ruas" para a próxima semana. A entidade pede que os alunos se organizem para expor nas cidades suas produções acadêmicas. Uma nova mobilização nacional foi chamada para dia 30.

Por amor à pátria - Caso Bolsonaro decida reverter o bloqueio de verbas do Ministério da Educação, os militares são os candidatos mais prováveis a pagar a conta. Técnico do governo calcula que o programa do submarino nuclear brasileiro pode ir para o sacrifício para compensar a suspensão de cortes no MEC.

Verga, mas não quebra - Mesmo intercalando momentos de tensão, a ida do ministro Abraham Weintraub (Educação) à Câmara nessa quarta saiu melhor do que o previsto. Na noite anterior, deputados falavam em "fuzilamento", mas o economista saiu vivo.

Meu plano - O Centrão comemorou. "Mudamos a pauta e colocamos a bola no meio do campo. Mas a oposição perdeu o gol", comentou um líder.

Tiroteio

"Essa fala pode provocar mais clamor popular. Priorizar a educação inclui respeitar seus profissionais e estudantes."

De Priscila Cruz, presidente do Todos pela Educação, após Bolsonaro dizer que os que foram às ruas nessa quarta são "idiotas úteis".

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo

Deputados temem cenário de ingovernabilidade

Um grupo de 15 senadores sentou-se à mesa, na quarta-feira (22), com o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para conversa de tom grave. Motivo: a perspectiva de um cenário de ingovernabilida…


Exclusivo

Fuga para adiante

A escalada da crise política fez com que dirigentes e líderes do PT promovessem, na terça-feira (21), uma videoconferência para debater o rumo que vai adotar na crise. A data foi escolhida para …


Exclusivo

O último dos moicanos

Queimadas todas as pontes institucionais com a cúpula do Congresso, dirigentes de partidos foram avisados de que a Casa Civil vai tentar impulsionar as negociações com as bancadas por meio do líder …


Exclusivo

Seja o avalista de fato

Pilar da agenda que hoje sustenta o governo, o ministro Paulo Guedes (Economia) virou alvo de críticas de parlamentares que o acusam de ser "omisso" diante da crise política. Líderes de partidos …


Exclusivo

No fio da navalha

A escalada no tom de apoiadores do Presidente contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) nas convocações para atos no próximo domingo (26) fizeram líderes políticos de diversas siglas …


Exclusivo

Duas faces da moeda

O estímulo do Presidente aos atos que estão sendo chamados por sua claque para o próximo domingo, dia 26, fará dele sócio de jogada que embute duplo risco. Na avaliação de aliados e políticos de …


Exclusivo

O rei está nu

O texto distribuído por Jair Bolsonaro a aliados foi lido por dirigentes de partidos como um sinal de que o presidente acenou à radicalização para voltar a comandar a cena política. A mensagem …


Exclusivo

Fim da hibernação

A amplitude das manifestações contra a política educacional de Jair Bolsonaro preocupou governistas ligados a Olavo de Carvalho que veem risco de "despertar da oposição". O grupo afirma que a …


Exclusivo

Linha traçada no chão

Pelo peso de uma decisão unânime, o veredito do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a favor da libertação do ex-presidente Michel Temer foi lido no Congresso e entre magistrados de cortes …


Exclusivo

O homem em seu labirinto

A abrangência da quebra dos sigilos fiscal e bancário do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) chamou a atenção de políticos e magistrados que observam, de longe, o desenrolar das investigações no Rio. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados