Search
terça-feira 19 setembro 2017
  • :
  • :

Ciência em alta no futebol: o que é análise de desempenho?

A última parte da série especial multimídia “Ciência em alta no futebol”, traz a pergunta que muitos torcedores já devem ter feito ao ouvir falar a respeito. Afinal, o que é análise de desempenho? O próprio nome já responde a questão, mas não explica detalhadamente o que é feito para obter resultados que são entregues ao treinador.

Anderson Luiz Silva, analista de desempenho do Vitória. Foto: Henrique Montovanelli/Vitória FC/Divulgação

No futebol capixaba, o primeiro clube a trabalhar com um analista de desempenho foi o Espírito Santo, ano passado. Hoje no Vitória, Anderson Luiz Silva, que é formado em Educação Física e fez curso de treinadores da CBF (Licenças B e C), curso de especialização de futebol moderno pelo Sindicato dos Treinadores do Rio de Janeiro e curso de análise de desempenho (CBF), é o braço-direito do técnico Wagner Nascimento.

Confira a série “Ciência em alta no futebol”:

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Entrevista especial com o fisiologista do Botafogo, o capixaba Dailson Paulúcio

O Vitória se prepara para a estreia na Copa Espírito Santo, dia 29 de julho, contra o Linhares, no estádio Joaquim Calmon, casa do adversário do alvianil, às 15 horas. A partida é válida pelo grupo B da competição.

Em entrevista ao Tribuna Online, Anderson Luiz Silva contou como é sua rotina de trabalho e qual a importância da análise de desempenho para atingir alto nível no futebol.

Wagner Nascimento (de agasalho azul) e Anderson Luiz Silva: parceria para o Vitória conquistar o título da Copa Espírito Santo e inovar no futebol capixaba. Foto: Henrique Montovanelli/Vitória FC/Divulgação

TRIBUNA ONLINE –  O que é a análise de desempenho?

ANDERSON LUIZ SILVA – O que o analista de desempenho traz de diferente é o retorno de informações ao clube, referentes ao desempenho da equipe e dos atletas. E também é propiciar a integração de princípios e conceitos do jogo, especialmente na relação entre treino e jogo. E fazemos avaliações de onde estamos acertando ou errando. No jogo-treino contra o Espírito Santo (derrota por 1 a 0), percebemos onde tomamos o gol e trabalhamos para corrigir.

Por que a análise de desempenho é importante?

Nosso papel é auxiliar a comissão técnica, servindo como condutor de informações de elementos táticos e técnicos de desempenho. Hoje, você tem que deixar essa coisa do achismo, que futebol tem muito isso, e passar a ter dados. Quando a gente começa a trabalhar a análise, você sai muito do que acha e passa a ter dados muito importantes. Você começa a fazer um paralelo.

E para os jogadores?

O jogador de futebol hoje precisa, é importante ter esses dados. Uma coisa é você chegar para um atleta e dizer para ele que não está recompondo a linha e mostrar a ele em vídeo. Há uma diferença entre o achismo e ter dados, comprovação. É o que o Vitória hoje está se preparando para que seja um pioneiro no nosso Estado, nós acreditamos nisso. Estamos trabalhando para isso, buscando conhecimento entre toda a comissão técnica.

O que você e sua equipe fazem durante os treinos?

Nós usamos no treino duas máquinas filmadoras, onde gravamos o treino, depois vamos avaliar o que foi treinado e observamos bastante aquilo que o treinador pediu, qual é a proposta de jogo da equipe, utilizada dentro do treino. Ali fazemos a avaliação. Depois pegamos aquilo que foi treinado e fazemos alguns vídeos, tirando aquilo que é mais importante do que foi treinado. Daí, fazemos um relatório através dos vídeos táticos. Por isso participamos do treino, para ver se o que o treinador está pedindo, os jogadores têm compreendido.

Da esquerda para a direita: Leandro Rodrigues, 31 anos, estudante de Multivix; Eduardo Almeida, 25, estudante da Multivix; Alecsandro Paranha, 32, estudante da Faculdade Salesiano. Equipe do analista de desempenho Anderson Luiz Silva. Foto: Henrique Montovanelli/Vitória FC/Divulgação

E no dia dos jogos?

No dia do jogo, nós continuamos filmando e fazemos análise através do scout (registro de informações) de jogo. Procuramos ver dentro da análise do nosso time, aquilo que vai ser trabalhado tanto na parte individual e coletiva, através da análise quantitativa e qualitativa. Por isso que é feito essa análise no dia de jogo.

Como é a relação do analista de desempenho com os outros membros da comissão técnica?

A informação é primária da análise. Eu que dou o retorno para eles, porque tudo é baseado dentro do modelo de jogo do treinador. Então, vem as perguntas primeiro pela análise e a análise passa para o treinador. A análise de desempenho que passa para a comissão onde estão os pontos fracos e fortes da nossa equipe. E a parceria é de comissão mesmo.

O que motivou a se tornar um analista de desempenho, estando no futebol capixaba?

Fiz três cursos da CBF e paguei por eles. Foi uma escolha minha. O curso traz um enriquecimento muito grande no âmbito profissional. Na Licença B, estudei com grandes ex-jogadores, como Deivid (ex-Corinthians, Cruzeiro e Flamengo), Pedrinho (ex-Vasco), Felipe (ex-Vasco e Flamengo), Ramon Menezes (ex-Vasco, Fluminense e Vitória/BA), entre outros. Além de você se qualificar no curso, você também acaba tendo vários conhecimentos. O curso abrange o Brasil todo, e até dentro desses cursos tive casos de encontrar estrangeiros fazendo. É bem rico.

Você fez um período de intercâmbio no Vasco e no Botafogo, recentemente. O que traz ao Vitória depois dessa experiência?

Quando a gente pensa num clube de Série A, sabemos que eles têm uma estrutura de programas caríssimos que hoje fica um pouco fora da nossa realidade, no sentido de estrutura. Mas, acredito que a gente consiga fazer um bom trabalho sem ter esses programas, etc. Essa experiência do intercâmbio, foi muito rico para mim, e foi uma troca de experiência muito boa. Acredito que trazemos uma bagagem muito boa, pegamos algumas referências de programas que vamos tentar implantar no Vitória. Estamos levando scout de goleiro, que vão ser inovador no futebol capixaba. Pude aprender muitas coisas que vamos tentar implantar dentro da nossa realidade, sabendo da dificuldade que iremos encontrar no futebol. Análise de desempenho é uma profissão nova e muitos ainda nem sabem o que é.

Nenê (meia do Vasco) e Anderson Luiz. Foto: Arquivo pessoal

Reportagem de Acácio Rodrigues




  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *