Search
sábado 16 dezembro 2017
  • :
  • :

Hair, um espetáculo de vozes, interpretações e performances

O musical “Hair” vai ser apresentado pela Fames no Centro Cultural Sesc Glória, em Vitória. Foto: Leone Iglesias

 

Reportagem:
Nelmir Schneider

A Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) vai apresentar “Hair”, um espetáculo de vozes, interpretações e performances, no teatro do Centro Cultural Sesc Glória, em Vitória.

Há 10 meses, o musical vem sendo preparado para levar a plateia a se encantar diante do que estará em cena nas noites dos próximos dias 7, 12 e 16. O Tribuna Online teve acesso exclusivo a ensaios, que estão intensos.

A Era é de Aquario e a história gira em torno de um rapaz que é recrutado para guerra, conhece hippies, que lhe apresentam conceitos nada convencionais sobre comportamento e sociedade.

“O musical ‘Hair’ é a favor da vida, da liberdade sexual, da diversidade, da paz, do amor. Um basta a preconceitos, racismo, intolerâncias, hipocrisia, falta de noção, ignorância”, disse Elaine Rowena.

A direção geral é de Elaine e Angelo Jantorno. Ambos também subirão ao palco não somente para cantar. Ela atuará como a jovem Sheila Franklin, além de uma mãe hilária. Ele viverá o rapaz Claude Hooper Bukowski.

O “Hair” capixaba é baseado na montagem original do musical feito para o teatro, em Nova Iorque, em 1967, por James Rado e Gerome Ragni, também autores das letras das músicas criadas por Galt MacDermot. Não tem nada a ver com a adaptação cinematográfica de Milos Forman, de 1979.

Os diálogos são em português, mas as músicas apresentadas em inglês. “Não dá para cantar versões de ‘Aquaius’, ‘Sodomy’, ‘I Got Life’, ‘Manchester’ e tantas outras que constam no repertório”, afirmou Elaine.

Nada é dublado, pois o elenco contou com assessoria de um mestre em Língua Inglesa. A banda que estará em cena é composta por Vandaluz Júnior (piano e teclado), Júnior Toniato (bateria), Caio Matos (contrabaixo elétrico) e Ique Pellizer (guitarra).

Sobre a formação de elenco tão afinado, são muitas as histórias de caça-talentos. Uma delas foi a descoberta de Jess Dionisio, que solta o vozeirão em “Aquarius”. “Eu a encontrei em um karaokê em um bar na Ilha de Santa Maria. Quando vi e ouvi, pensei na hora: É ela. Fiz o convite. Ela disse que não tinha condições, vejá só?” (Risos).

Ocorreu também um momento tenso, quando o elenco já estava escalado e, depois de uns meses de ensaio, o artista que interpretava George Berger, devido a problemas pessoais começou a dar pinta de que vazaria.

“Eu vinha percebendo que ele não ia continuar. Em uma noite cheguei em casa imaginando como encontrar outro? Para não perder o sono, antes de dormir roguei a Deus. No outro dia, Ele nos enviou o André Prando, o verdadeiro Berg, pois já chegou como tal, pronto. Tinha que ser ele” (Risos).

 

História

“Hair” é um produto da contracultura hippie e da revolução sexual dos anos 60. A profanação de valores embutida no musical, sua descrição do uso de drogas ilegais, tratamento da sexualidade, irreverência pela bandeira nacional e uma cena de nu explícito causaram enorme controvérsia.

Elevou o mundo dos musicais a novos parâmetros, criando o rock-musical, usando a integração racial para compor o elenco e convidando a plateia a interagir com o espetáculo, subindo ao palco na cena final.

Ensaio do musical. Foto: Leone Iglesias

Conta a história de um grupo de hippies cabeludos politicamente ativos da “Era de Aquário”, que levam uma vida boêmia em Nova Iorque e lutam contra o alistamento militar para o Vietnã.

Claude, seu bom amigo Berger, sua amiga Sheila e outros amigos hippies tentam equilibrar suas jovens vidas, amores e sexo livre com a rebelião pessoal contra seus pais e a sociedade conservadora.

Em última análise, Claude precisa decidir entre rasgar seu cartão de alistamento como seus amigos fizeram ou sucumbir à pressão dos pais e servir no Vietnã, comprometendo seus princípios pacifistas e arriscando sua vida.

Após estrear off-Broadway em outubro de 1967 no The Public Theater – onde ficou por 45 dias – e fazer algumas apresentações numa discoteca no centro de Manhattan, a peça estreou na Broadway em 29 de abril de 1968 para uma carreira que duraria por 1.750 apresentações.


O que é “Era de Aquário”?

A “Era de Aquário”, segundo a astrologia, é a atual “era cósmica”, regida por esse signo e que favorece a comunicação rápida, a busca pelo futuro e a oposição ao autoritarismo. Nos anos 60, se popularizou a crença de que essa “nova era” traria uma nova fase para a humanidade.

Astrônomos acreditam que a “Era de Aquário” começará só no ano de 2600. Já os astrólogos acham que ela teve início em janeiro de 2001, quando começou o terceiro milênio.

Para os que acreditam na influência zodiacal na vida humana, a “Era de Aquário” já começou. Basta notar como esta época está marcada por aspectos próprios desse signo, como a comunicação rápida (via web e satélites), a busca pelo futuro (que causou o avanço da tecnologia) e a oposição ao autoritarismo (defesa da liberdade individual).


Elenco do musical Hair, produzido pela Faculdade de Música do Espírito Santo. Foto: Leone Iglesias

Ficha técnica

Elenco
Angelo Jantorno como Claude Hooper Bukowski
André Prando como George Berger
Elaine Rowena como Sheila Franklin
Karla Skarine (Jeanne)
Alec Aguiar (Simon)
Jess Dionisio (Dionne)
Rony Ribeiro (Hud Johnson)
Everllynn Cardoso (Yummi)
Derick Silveira (Duque)
Cintia Tavares (Karen)
Marcos Luppi (Mark)
Claudia Zanetti (Gaia)
Scarllet Alves (Lucy)
Marcos Salles (Sgt. Fidelis/Jeff)
Rita Augusto (Rose)
Gina Denise (Stella)
Fernanda Santana (Lenna)
Eduardo Portela (Júpiter)
Daria Obraztsova (Ana)
LC Marks (Lui/Muppet)
Jeniffer Ayres (Helena)
Rodrigo Lacerda (Woof/Margareth)
Lilo Vizion (Índigo)
Rodrigo Barcelos (Javier)
Amanda Paes (Hanna)
Jessika Couto (Crissy)
DiMorais (Jhon)
Mfive (Jo-Jo)
Daniel Berbeth (Profeta Yod)

Participação especial
Patrícia Eugênio (Krishna)

Balé
Louis Maria/Giovanna Fontana/Grasie Fink/Wanessa Moreira/Azinza Binah/Letícia Resende/Luh Rodrigues/Bee Fire/Pablo Sheko/Gabriel Paolucio/Dhodho Lucas/Pedro Lucas/PH Silva/Izak Rodrigues/Wylberth Augusto/Jadson Affonso/Paola Melo/Christila Eduarda

Circo
Mariana Mathias/ Ohana Waichert / Gabriele Oliveira/Wesley Fernandes/Vitor Mozine

Banda
Vandaluz Junior (Piano e Teclados), Júnior Toniato (Bateria), Caio Matos (Contrabaixo Elétrico) e Ique Pellizzer (Guitarra)

Coordenação do Grupo Vocal Fames
Elaine Rowena

Direção Geral
Elaine Rowena e Angelo Jantorno

Direção Musical e Arranjos
Vandaluz Junior

Regência
Maestro Claudio Modesto

Assistente de Regência
Rony Ribeiro

Preparação Vocal
Elaine Rowena e Rony Ribeiro

Coordenação de Naipe Feminino
Fernanda Santana

Coordenação de Naipe Masculino
Angelo Jantorno

Coreografias
Lalau Martins

Danças Orientais
Bianca Campagnolli

Assessoria de Língua Inglesa
Rodrigo Lacerda

Figurino
Regina Schimitt e Luara Zucolotto

Iluminação
Wlad Castiglione

Cenografia
Felipe Capixaba

Sonoplastia
Eliomar Viturino e Denis Feijão

Design Gráfico
Karla Skarine e Mayra Belém

Assessoria de Comunicação
Márcia Almeida

Encenação
Grupo Vocal Fames

Serviço

“Hair – Um Sonho de Liberdade”
Quando: 7, 12 e 16 de novembro
Horário: 20h
Local: Centro Cultural Sesc Glória (Av. Jerônimo Monteiro, 428, Centro, Vitória)
Ingressos: R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia-entrada)
Pontos de vendas: Bilheteria do Centro Cultural Sesc Glória
Classificação: 14 anos




  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *