Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada
Tribuna Livre

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz negro. Próximo à metade do filme, Jolson olha para a câmera e diz, literalmente em alto e bom som, as primeiras palavras faladas do cinema: “Wait a minute! You ain't heard nothing' yet”. Algo como “Esperem um minuto. Vocês ainda não ouviram nada”. E canta uma canção.

O cinema aprende a falar. “The jazz singer” provoca um corte na história do cinema: a morte dos filmes mudos e o triunfo dos falados. A Sétima Arte jamais seria a mesma.

Cannes, 19 de maio de 2017, Palais des Festivals. Luzes se apagam. Projetor acionado. O icônico logotipo vermelho da Netflix ocupa toda a tela e apresenta a fábula anticapitalista com porcos mutantes “Okja”, de Bong Joon-ho. Vaias da plateia. A participação inaugural em festivais de cinema analógico de um filme digital produzido por uma empresa que trabalha exclusivamente com tecnologia streaming é marcada por forte reação contrária do público, o inverso do sucesso da exibição do primeiro filme falado.

Charles Chaplin foi quem melhor encarnou a resistência do cinema mudo contra o falado. Para ele, fala era uma regressão estética. O cinema já havia adquirido uma autonomia de linguagem ao construir uma narrativa própria, visual e universal. Mas havia uma dimensão política por trás da militância silente de Chaplin. Atacado pelas elites culturais pelo “baixo nível” dos seus filmes voltados para trabalhadores, imigrantes e desempregados, ele via na sonorização o enquadramento político e moral decisivo dos cinema pelos grandes estúdios: “Os ricos compraram o barulho”, sentenciou.

Noventa anos depois, Steven Spielberg incorporaria a militância chapliniana em repúdio às inovações do cinema. Torna-se a mais combativa e respeitada voz anti-Netflix. No Oscar deste ano, por pouco sua produção “Green Book: O Guia” perde a estatueta de melhor filme para o belo e improvável “Roma”, de Alfonso Cuarón. Preto e branco, diálogos minimalistas e em espanhol, “Roma” foi comprado pela Netflix e levou três Oscars (diretor, fotografia e filme estrangeiro). Uma surpresa não ter recebido o de melhor filme, cereja do bolo da premiação que Hollywood confere às produções exibidas em... Cinema. E “Roma” foi produzido originalmente para a TV. Se vencesse “Green Book”, decretaria o triunfo de uma mídia sobre a outra.

Spielberg entende que a Netflix não pode ficar tão perto de ganhar o grande prêmio de Hollywood quando não joga com as mesmas regras que os estudios tradicionais: sobretudo por lançar suas produções simultaneamente na plataforma doméstica e nos cinemas. Para ele, “uma vez que a Netflix se compromete com um formato de televisão deveria disputar o Emmy, não o Oscar. Aquilo é televisão, não cinema”.

Os 124 anos da história do cinema têm sido marcados por desafios. Som, cor, televisão, sistemas On Demand, apenas para citar algumas questões técnicas, emparedaram o cinema e o impuseram saídas para sobreviver.

Produções com selo Netflix, são apenas um desses emparedamentos. Seu grau de impacto só o tempo dirá. Parafraseando Al Jolson, nós ainda não vimos nada.

Maninho Pacheco é jornalista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Criminalização da homofobia: um passo no combate à violência

As questões relacionadas à comunidade LGBT – lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais – vêm ganhando espaço no meio acadêmico, jurídico e social em razão dos debates acerca da promoção e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Como os municípios podem aumentar os investimentos

Recentemente o Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santos (TCE-ES) divulgou dados informando que, em 2018, 93,33% dos recursos orçamentários dos municípios do Estado utilizados para custeio das …


Exclusivo
Tribuna Livre

A vida e suas expectativas

Durante boa parte da nossa história, a maioria da população foi formada por jovens. Com o passar dos anos, esse cenário tem passado por modificações. Hoje, vive-se mais que os antepassados. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Atendimento que ajuda a salvar vidas

Em 1984, um anúncio nos jornais do Estado marcava o início de uma história que, em junho deste ano, completa 35 anos. Em texto breve, o anúncio convidava interessados em participar de um curso para …


Tribuna Livre

Polícia Interativa: uma marca capixaba

O ano era 1994, seis após a promulgação da Constituição Federal de 1988, o então tenente, hoje coronel da reserva da PMES, Júlio Cézar Costa, apresenta no programa “Fantástico” uma ação em Guaçuí que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Trabalhadores em risco: o desastre dos desastres

A reforma trabalhista, não há mais dúvidas, é um gigantesco fracasso. Obsessivamente vendidas como uma grande solução para o País, as mudanças na CLT completaram um ano e meio, com o País à beira da …


Tribuna Livre

Educação 4.0

Estamos num divisor de águas para a educação no Brasil. Se já temos resultados catastróficos no mundo analógico, se não tomarmos providências, aumentaremos em proporção geométrica nosso atraso no …


Tribuna Livre

O revés do transporte público

Uma mobilidade urbana desejável proporciona às pessoas deslocamentos seguros, confortáveis e em tempo razoável, por modais satisfatórios e sustentáveis. A população que vive em cidades explode a …


Tribuna Livre

Você pode ser indenizado por ligações excessivas de call center!

Anda recebendo ligações insistentes de alguma empresa ou operadora? Difícil é encontrar quem não passe por essa situação. Uma cena comum do dia a dia: o celular começa a receber insistentes ligações, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Vida nova no Velho Continente

Todos nós conhecemos alguém que já tenha demonstrado interesse em se mudar do Brasil, seja por querer um novo rumo para sua carreira, seja por desejar uma vida melhor para sua família. De acordo com …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados