Search
terça-feira 22 agosto 2017
  • :
  • :

Professores dão dicas para se dar bem em prova de supletivo do MEC

Kely Julião conta com a ajuda da professora Maria das Graças Bianchin nos estudos para a prova do Encceja. Foto: Fernando Ribeiro/AT

Estar atento às atualidades e fazer simulados são algumas das orientações para quem quer diploma por meio de prova do MEC

A oportunidade de receber o diploma de ensino médio e fundamental fazendo o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) – que é uma prova gratuita do Ministério da Educação (MEC) – pode ser o passaporte para muita gente realizar o sonho de fazer uma faculdade, de ter um emprego melhor e até mesmo de perder a vergonha na hora de procurar uma vaga.

Mas, antes de planejar o futuro depois de receber o diploma, é preciso estudar para se dar bem na prova. E para ajudar, a reportagem de A Tribuna conversou com professores da Educação de Jovens e Adultos (EJA), que deram orientações do que estudar.

“Uma dica importante é sempre estar atento às atualidades. Esse tipo de prova costuma cobrar que o aluno saiba o que está acontecendo no mundo”, destacou a professora do ensino fundamental Maria das Graças Bianchin.

Outra orientação da professora é sempre fazer simulados, refazer provas antigas e pesquisar conteúdos da prova na internet.

O MEC também disponibiliza algumas apostilas de conteúdos para candidatos à prova do Encceja.

Para o ensino médio, em que uma das principais dificuldades para muitos estudantes é a Matemática, o professor Eri Fernando explica que os conteúdos das matérias são geralmente ligados ao dia a dia. “Funções e estatísticas são o que geralmente caem nas provas. Acredito que é importante agora estudar o que tem mais afinidade e tirar bastante dúvida sobre o que ainda não sabe.”

O professor de Física Walério Moreira ressaltou que é preciso controlar a ansiedade para se dar bem na prova.

Quem está se esforçando para realizar o sonho de conseguir um diploma é a doméstica Kely Julião, 33. Ela contou que nunca teve oportunidade de estudar, mas sempre quis aprender, e agora está cursando o ensino fundamental.

“Não tive oportunidade, e depois ficava com vergonha de fazer a matrícula na escola. Mas, com a ajuda da professora e de uma amiga, consegui e estou aqui. Quero muito fazer faculdade de Medicina Veterinária quando terminar”, salientou.

A prova do Encceja será aplicada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) no dia 22 de outubro, em 13 cidades do Estado. As inscrições vão até o próximo dia 18.

.

Dicas de estudo

Simulado pelo internet ajuda na preparação. Foto: Reprodução

O Inep disponibiliza apostilas com conteúdo para ser estudado de forma on-line para a prova. O aluno pode baixar e estudar no computador ou imprimir.

Uma dica dos professores é sempre procurar fazer exercícios, simulados e provas antigas do Enem, para o ensino médio, e o Encceja para ensino fundamental. Há disponível na internet várias provas e também algumas videoaulas sobre os temas.

Os alunos do estado também podem se matricular nos Ceejass e Neejas a qualquer momento. Não é obrigatório ter frequência. Há a disponibilidade de professores de todas as áreas do conhecimento para esclarecer dúvidas, além de conteúdos on-line: sedudigital.sedu.es.gov.br/ e acesso por meio do banner Ceeja [email protected]

Para quem não quer se matricular, a Sedu oferece conteúdos pelo site curriculointerativo.sedu.es.gov.br/.

Uma dica é o estudante focar o estudo no que já sabe e tentar tirar dúvidas nos assuntos que são seus pontos francos.

Avaliação

Provas Objetivas

Para as provas objetivas, a nota mínima sugerida é de 100 pontos de 200 em cada área, o que representa, em média, 50% das habilidades que a prova de cada área exige.

No caso de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes e Educação Física ou Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, o participante deverá adicionalmente obter proficiência na prova de Redação.

O desempenho do participante na prova objetiva será calculado com base na Teoria de Resposta ao Item (TRI), a mesma do Enem, que diminui a possibilidade de chutes.

Prova de Redação

A redação terá um tema e uma proposta específica, geralmente relacionada com a atualidade. A nota da redação varia de 0 a 10 pontos, e a nota mínima para a aprovação tem de ser 5 pontos.

.

O QUE PODE CAIR NA PROVA

Estudo deve abranger atualidades. Foto: Reprodução

Ensino fundamental

Matemática

O aluno pode focar os estudos nas matérias de geometria e funções da álgebra, que geralmente são o foco. Além de proporcionalidade, medidas, estatísticas, entre outros assuntos.

Língua Portuguesa

Além da interpretação, o aluno tem de dominar os gêneros de textos, compreensão das línguas estrangeiras (Inglês ou Espanhol), textos literários, gramática, entre outros.

História e Geografia

É importante o aluno ficar atento à atualidade, pois é possível ser abordado sobre movimentos políticos, confrontos sociais, cidadania e democracia, a organização atual das sociedades e temas relacionados.

Ciências

Nessa disciplina, o tema central quase sempre é a relação do homem com o meio ambiente, questões e ecologia, conhecimento científico, entre outros.

Ensino Médio

Leitura de todos os gêneros para se preparar para a prova. Foto: Reprodução

Ciências humanas e suas tecnologias

É importante ficar atento às notícias e atualidades e sempre tentar relacionar com fatos históricos.

Matemática e suas tecnologias

O aluno tem de ficar atento em questões de funções e estatísticas, que são as matérias mais cobradas. Gráficos e porcentagens também podem ser cobrados.

Ciências da natureza e suas tecnologias

Reciclagem de recursos naturais e matérias primas, biotecnologia e melhoramento genético, assuntos relacionados à epidemia de doenças e formas de preveni-las e eletricidade são alguns dos assuntos que podem ser exigidos na prova.

Linguagens, códigos e suas tecnologias

É fundamental que o aluno domine a interpretação de texto para se dar bem nessa área de conhecimento. Gramática também pode ser cobrada em forma de texto. Na linguagem estrangeira é associar vocabulários e expressões de texto.

Fonte: Professores entrevistados e MEC.

.

Reportagem de Lorrany Martins para o jornal A Tribuna do dia 09/08/2017




  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *