Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vila Velha, capital histórica do Espírito Santo
Tribuna Livre

Vila Velha, capital histórica do Espírito Santo

Kleber Galvêas  (Foto: Tribuna Livre)
Kleber Galvêas (Foto: Tribuna Livre)
Há 484 anos, a história começa a ser escrita nesta parte do Brasil. Primeiro por portugueses, depois, também, por índios, africanos, espanhóis e viajantes estrangeiros. Mais tarde chegaram, para colaborar, os italianos, alemães, árabes, judeus, orientais.... Assim, juntos, construímos o Espírito Santo.

É longa a história da colonização do solo espírito-santense, que principia em Vila Velha, com a chegada de Vasco Fernandes Coutinho e companheiros, no dia 23 de maio de 1535. Batizada originalmente como Vila do Espírito Santo, nossa Vila emprestou seu nome ao Estado e adotou oficialmente o apelido que lhe foi dado após a fundação da Vila de Nossa Senhora da Vitória (nome dado em homenagem a Nossa Senhora, protetora dos vitoriosos cristãos na batalha de Lepanto, Grécia – 1571, que deteve a expansão islâmica no Mediterrâneo).

Entre os 60 homens que aqui chegaram com Vasco Coutinho, o mais proeminente foi D. Jorge de Menezes, fidalgo e navegador famoso.

Foi ele quem descobriu a Nova-Guiné/Papua, segunda maior ilha do mundo. Herói de guerra, que havia perdido a mão direita em batalha, foi nomeado Senhor de Ternate, ilha do arquipélago das Molucas (Indonésia), a maior produtora de cravo-da-índia no séc. XVI. O porto e a posição estratégica de Ternate fizeram dela o principal entreposto para as especiarias ditas “das Índias”. O comércio enriqueceu o seu sultão, que se tornou o mais poderoso de toda a Indonésia.

D. Jorge de Menezes, espírito ganancioso, prepotente e belicoso, logo criou atrito com os nativos das Molucas.

Desterrou o sultão de Ternate, com toda a família, para a longínqua Goa, província portuguesa na Índia. Tendo os chefes tribais das diversas ilhas do arquipélago mostrado descontentamento com o seu procedimento, convidou-os a uma reunião em sua fortaleza, e todos foram mortos.

Como consequência desse ato insano, portugueses passaram a ser vistos com total desconfiança na Ásia.

O prejuízo para a expansão do Império Português irritou profundamente D. João III. O Rei mandou prender o fidalgo que, levado à corte, foi condenado ao degredo perpétuo no Brasil. O maior castigo que poderia ser aplicado a um nobre, naquele tempo, uma vez que a pena de morte era vedada à nobreza.

D. Jorge, após 15 anos em Vila Velha, recebeu o governo de Vasco Coutinho que fora a Portugal buscar recursos para desenvolver a Capitania. O desatino do famoso explorador guerreiro contra os índios provocou forte reação, que culminou com o seu assassinato.

Com a morte de D. Jorge, D. Simão Castelo Branco, também fidalgo português degredado, assumiu a direção da Capitania, enquanto Vasco Coutinho permanecia em Portugal.

Tentando vingar a morte do patrício, ele investiu contra os índios. Seu governo durou apenas dois meses. Foi morto pelos nativos e, assim, a Capitania ficou em grande desordem até o retorno do Donatário da Europa, segundo depoimento de vários navegantes que por aqui passaram durante esse período.

Os dois fidalgos, criminosos degredados, emprestam seus nomes a duas longas e importantes ruas, que partindo da Praia da Costa atravessam o Sítio Histórico da Prainha de Vila Velha. Enquanto a rua do herói Vasco Coutinho é pequena, estreita e acanhada, se resumindo à Prainha. Ironias da nossa história contemporânea.

Kleber Galvêas é pintor e escritor

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Criminalização da homofobia: um passo no combate à violência

As questões relacionadas à comunidade LGBT – lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais – vêm ganhando espaço no meio acadêmico, jurídico e social em razão dos debates acerca da promoção e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Como os municípios podem aumentar os investimentos

Recentemente o Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santos (TCE-ES) divulgou dados informando que, em 2018, 93,33% dos recursos orçamentários dos municípios do Estado utilizados para custeio das …


Exclusivo
Tribuna Livre

A vida e suas expectativas

Durante boa parte da nossa história, a maioria da população foi formada por jovens. Com o passar dos anos, esse cenário tem passado por modificações. Hoje, vive-se mais que os antepassados. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Atendimento que ajuda a salvar vidas

Em 1984, um anúncio nos jornais do Estado marcava o início de uma história que, em junho deste ano, completa 35 anos. Em texto breve, o anúncio convidava interessados em participar de um curso para …


Tribuna Livre

Polícia Interativa: uma marca capixaba

O ano era 1994, seis após a promulgação da Constituição Federal de 1988, o então tenente, hoje coronel da reserva da PMES, Júlio Cézar Costa, apresenta no programa “Fantástico” uma ação em Guaçuí que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Trabalhadores em risco: o desastre dos desastres

A reforma trabalhista, não há mais dúvidas, é um gigantesco fracasso. Obsessivamente vendidas como uma grande solução para o País, as mudanças na CLT completaram um ano e meio, com o País à beira da …


Tribuna Livre

Educação 4.0

Estamos num divisor de águas para a educação no Brasil. Se já temos resultados catastróficos no mundo analógico, se não tomarmos providências, aumentaremos em proporção geométrica nosso atraso no …


Tribuna Livre

O revés do transporte público

Uma mobilidade urbana desejável proporciona às pessoas deslocamentos seguros, confortáveis e em tempo razoável, por modais satisfatórios e sustentáveis. A população que vive em cidades explode a …


Tribuna Livre

Você pode ser indenizado por ligações excessivas de call center!

Anda recebendo ligações insistentes de alguma empresa ou operadora? Difícil é encontrar quem não passe por essa situação. Uma cena comum do dia a dia: o celular começa a receber insistentes ligações, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Vida nova no Velho Continente

Todos nós conhecemos alguém que já tenha demonstrado interesse em se mudar do Brasil, seja por querer um novo rumo para sua carreira, seja por desejar uma vida melhor para sua família. De acordo com …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados